Transformação digital e processos administrativos

"É impossível implementar transformação digital nas organizações sem transformar seus processos e sua cultura", afirma docente da Firjan IEL

em 22/09/2021

Transformação digital e processos administrativos

Inscreva sua empresa na Trilha Transformação Digital

Por Emerson Dantas*

Desde antes da pandemia o mundo já estava experimentando a era digital, e isso já era bem visível em nosso cotidiano, seja em casa, no trabalho, na escola ou na rua. O mundo digital chegou e veio para ficar. A transformação digital vai muito além de implantar sistemas isolados; é um processo que integra a tecnologia digital a todas as dimensões da empresa, provocando mudanças fundamentais em tecnologia, cultura, operações e entrega de valor. É bem verdade que desde o início da quarentena, devido à COVID-19, temos vivenciado ainda mais forte essa era digital. Segundo uma pesquisa realizada pela Forbes no segundo semestre de 2020, a pandemia provocou a aceleração em projetos de transformação digital em 87,5% das empresas brasileiras e o que antes era um diferencial competitivo, hoje, o desenvolvimento sólido de tecnologias se tornou a condição básica para alcançar vantagem na disputa de mercado.

Em 2015, uma pesquisa realizada pela ABPMP (Association of Business Process Management Professionals) Brasil já apontava a necessidade de automatização como um dos grandes motivadores para iniciar a implementação de ações de melhoria em processos nas empresas brasileiras. Naquela época, as empresas foram provocadas a responder quais eram as dificuldades relacionadas à evolução da gestão de processos, e as principais respostas diziam respeito a pessoas (resistência à mudança, falta de capacitação e falta de comunicação). Isso nos aponta a um tripé muito importante: tecnologia, processos e pessoas.

É impossível implementar transformação digital nas organizações sem transformar seus processos e sua cultura, até mesmo porque as mudanças tecnológicas impactam, inevitavelmente, o dia a dia das pessoas. Nesse ponto precisamos de uma forma sistêmica e controlada para permitir uma transformação digital menos dolorosa para a operação e para as finanças da empresa. Esse ponto é tão significativo que 95% dos CFOs de grandes empresas do mundo concordam que os investimentos em tecnologia são fundamentais para a recuperação dos negócios diante da COVID-19; 39% preferem os projetos de transformação digital que melhoram o processo e a eficiência dos negócios; 67% se recusam a desperdiçar dinheiro em investimentos tecnológicos que não promovam fortes mudanças em seus negócios e, por fim, 77% dos CFOs financiarão projetos de transformação digital com forte retorno de investimento. Esses dados são produto da pesquisa “2021 CFO Peer Insights: Digital Transformation and IT Spending Priorities”, realizada pela Rimini Street com mais de 1.500 CFOs e líderes de empresas responsáveis por mais de US$ 200 milhões em receita anual de diversos setores e indústrias em 13 países, incluindo Brasil. Essas informações globais nos levam a refletir sobre a necessidade de iniciativas de transformação tecnológica que gerem valor ao negócio, de fato, e que sejam assertivas, promissoras, consistentes e preferencialmente lucrativas.

Conheça a Trilha Transformação Digital: Processos Administrativos:

A transformação digital vai muito além de adotar uma nova tecnologia, e neste aspecto, empresas que já estavam preparadas para o digital sofreram menos impacto no processo de transformação no início da pandemia; da mesma forma, as empresas que já tinham o hábito de melhorar seus processos e identificar as necessidades tecnológicas a partir de dores no negócio também puderam experimentar menos caos na virada para o digital. Isso significa que a transformação digital requer uma necessidade de revisitar o negócio, suas dores e seus processos; ao implementar qualquer tecnologia sem antes observar as necessidades reais do negócio e as dores e os impactos nos processos corre-se um grande risco de automatizar ou sistematizar um caos já existente. Para isso, existe a necessidade de identificar as dores reais em processos de negócio e, uma vez que essas dores forem identificadas, é necessário projetar ganhos mensuráveis em relação ao que se pretende alcançar com a transformação para, assim, conseguir medir que valor a transformação gerará para o processo e, consequentemente, para o negócio e seus clientes. Certo de que as dores foram encontradas e os ganhos foram devidamente projetados, é necessário realizar um bom diagnóstico dos processos que serão transformados, isso significa que o processo deverá ser mapeado, modelado e analisado, bem como cada ponto crítico do processo precisará ser externalizado e materializado, pois só é possível tratar questões reais e conhecidas. Os pontos críticos precisam ser priorizados e para estes pontos críticos é necessário pensar soluções tecnológicas adequadas que servirão de “remédio” para “dores” latentes; só assim será possível realizar uma transformação digital que gere valor e possibilite retorno ao investimento. Essa forma de se pensar a transformação precisa ser idealizada e trabalhada de forma ágil nas organizações, mas sem perder a essência da real necessidade e do espírito de colaboração em todas as etapas, pois, se a transformação gera mudança na cultura, é preciso trabalhar junto às pessoas da organização um modelo ágil, colaborativo e digital.

As grandes empresas conseguem maior investimento tecnológico devido ao seu potencial financeiro, principalmente; mas isso não significa que as pequenas e médias empresas também não consigam “virar a chave” para o digital. É importante observar, principalmente, a maturidade de cada empresa. Mesmo que não seja possível fazer uma transformação digital em toda a empresa, cada organização pode escolher processos internos para digitalizar. A pesquisa “Estudo de maturidade digital das pequenas empresas 2020”, promovida pela Cisco e realizada pela IDC, indica que 44% das pequenas e médias empresas implementaram soluções para tornar o trabalho remoto mais eficiente; outras 44% investiram em tecnologias para otimizar o processo de vendas on-line; outro dado importante foi que 62% dos entrevistados acreditam que a digitalização do negócio é vital para tornar as pequenas e médias empresas mais resilientes para enfrentar futuros desafios; e a maioria desses empresários (cerca de 96%) entendeu que seus negócios se tornaram mais dependentes da tecnologia durante a pandemia. Essa tomada de consciência é muito importante, pois esse mesmo estudo revela que pequenas empresas podem ser responsáveis por um aumento de até US$ 2,3 trilhões ao PIB mundial até 2024, podendo levá-lo a até US$ 9 bilhões nesse mesmo período.

De fato, temos uma quantidade bastante relevante de empresas que ainda estão na fase inicial da transformação digital, mas de qualquer forma não dá para ficar inerte perante uma realidade de constante mudança e desafios para os negócios brasileiros, em grandes, pequenas e médias empresas. A transformação digital se tornou vital para a economia e a para a própria continuidade de negócio, em qualquer setor do mercado e da indústria, e isso nos impulsiona a repensar os nossos processos de modo que possamos avançar para novos patamares de vantagem competitiva no mercado, gerando valor real para os clientes e para a sociedade.

*Emerson Dantas é especialista em Gerenciamento Avançado de Projetos pela Université Paris Nanterre, e docente da Trilha Transformação Digital: Processos Administrativos

Conheça a Trilha Transformação Digital: Processos Administrativos

Tópicos:
  • Artigo
  • Transformação Digital
  • Gestão
  • Produtividade
  • Firjan IEL
  • Digitalização
Em destaque
Artigos, Estudos e Pesquisas 64º Dossiê: Destacando-se no LinkedIn

É preciso que a empresa ou profissional avalie o andamento de seus compartilhamentos e interações para que consiga identificar quais causam maior engajamento

em 29/10/2021

Artigos, Estudos e Pesquisas 63º Dossiê: ESG na prática

É fundamental escolher metodologias adequadas para o monitoramento das ações ESG nos negócios

em 25/10/2021

Artigos, Estudos e Pesquisas 62º Dossiê: Biometria facial para empresas

A utilização da tecnologia de reconhecimento facial permite que as empresas criem novas experiências para seus colaboradores, usuários e clientes

em 11/10/2021